segunda-feira, 11 de abril de 2011

Margarida... saudades

Tu, porém, irás em paz para teus pais; em boa velhice serás sepultado.
Gênesis 15:15

Margarida era o nome da minha querida avó materna.
Ela era analfabeta, mas sua sabedoria era imensa.
De tudo ela entendia um pouco e sempre gostava de opinar.

Certa vez um pedreiro estava fazendo uma pequena obra no seu quarto, então ela disse que fizesse diferente, pois daquele jeito não ficaria bom. Ele não deu ouvidos, dito e feito, o trabalho teve que ser refeito!!!

Foi a minha querida Vó Margarida que cuidou de mim quando pequena, pra minha mãe poder trabalhar.
Quando minha mãe chegava do trabalho eu ia correndo ao seu encontro, pois sempre alguma guloseima trazia, então minha Vó dizia: "Maria, não dá tanto doce pra essa menina."

Ao contrário de muitas avós, ela não fazia todos os meus gostos, sempre me dava conselhos e repreendia quando necessário. Já minha mãe fazia muito as minhas vontades....rsrsrs. Mas era porque tinha medo no fundo de eu querer mais a vovó do que a ela, hoje que sou mãe entendo isso.

Mas não precisava o medo, sempre teve espaço pras duas!!!

Termine de ler esse relato (hoje é pequeno rsrsrs) aqui no Recanto das Mamães Blogueiras, pois início da semana o meu texto é lá!

Abraços e uma semana de paz e bençãos a todos!

14 comentários:

Daiane disse...

minha querida estou aqui para agradecer pelas lindas palavras deixadas no meu blog,aquele livro realmente é uma benção,faz com que venhamos abrir os nossos olhos para enxergar a vontade de Deus para as nossas vidas!
Quando eu estava lendo seu texto teve algo que me chamou a atenção que foi quando vc disse "Ela era analfabeta, mas sua sabedoria era imensa" ,eu sempre digo que saber ler e escrever isso é ter conhecimento,mas sabedoria so tem aquele que busca a face de Deus e a sua vontade,pois assim o Espirito Santo tem total liberdade para agir através da pessoa!Lindo Texto,lindo mesmo,parabéns.Fique na Paz e tenha um otimo dia!

Clécia Ferreira disse...

poxa... emocionante este post... vi muitas coincindências na sua história com a minha. Minha vozinha ainda está viva, tbm se chama Maria e HOJE ela completa 76 anos, e tbm domina um pouco de todos os assuntos, incrível isso! Elas são um poço de experiência de vida, e gosto de ouvir as histórias dela, mas, tenho lembrado que ela só me conta as histórias tristes da vida dela... vou cobrar uma história feliz, rsss..... Gostei muitoooooooo de passar por aqui cidinha, fica com Deus e ótima semana! Abração!

Clécia Ferreira disse...

Ah, esqueci de falar que minha vozinha aprendeu a ler lendo a bíblia! fica com Deus

disse...

Linda a sua vozinha mana, que bom que ela não fazia suas vontades, até porque a maioria dos avós só estragam os netos, os filhos educam de uma jeito e os avós vem e estraga tudo, tudo que não fizeram por nós eles deixam os netos fazerem. rss Sei que é assim com a maioria. Mas que bom que contigo foi diferente.Boas lembranças né? bjs!

Filipe Oliveira disse...

Já gosto quando as pessoas contam suas histórias de vida. kkkk Lembro que já fiquei algumas vezes na casa de minha avó paterna, bons tempos né? Eu sempre quis ter mais lembranças da minha vó materna, mas ela nos deixou quando eu tinha 3 anos de idade... daí são poucas as recordações, fico somente com fotografias e as coisas que minha mãe me conta.

Deus te abençõe Cida.

Gisele Vargas disse...

OI Cida,
muita emoção no teu post amiga,lembrei também da minha vozinha que faleceu há bastante tempo e também participou da minha infância,meu crescimento...me ensinou muitas coisas!Quando ela faleceu eu passei muitos meses chorando ao lembrar dela,parecia que nunca iria passar aquela dor,mas hoje lembro e não sofro mais com a saudade...meu avô eu perdi há poucos meses e ainda sofro com a saudade,mas sei que também será curada essa dor..
Beijos querida,fica na paz!

Atitude Cristã disse...

Cida, como já deixei meu comentário aqui mais cedo. Aproveito apenas para te agradecer pela presença em meus dois blogs e desejar uma excelente semana para você. Deus te abençõe!

( Filipe Oliveira )

Celina disse...

Ah, que legal, Cida, as notícias sobre Carlos Eduardo são muito boas.
Que se realize nele uma grande obra, para a glória de Deus.
Amém!

Débora disse...

Cida, querida
Muito obrigada por suas palavras de conforto e carinho... Acho que meu menino está apresentando pequenas melhoras, mas nada muito significativo... Porém vamos esperar mais uns dias para o medicamento fazer efeito... A melhora mesmo foi em mim... Acho que Deus e as orações de pessoas queridas me fortaleceram para que eu tivesse ânimo, calma, paciência para cuidar do meu bebê. Ontem, já não estava tão aflita, mas consciente de que preciso estar bem para ajudar o meu filhoa ficar bem... Obg por tudo e um ótimo dia

Fabiana disse...

Que lindo Cida!
ja fui no "recanto" e voltei.
minha avó tb é maravilhosa pena so ter ficado do lado dela ate os meus tres anos de idade, depois vinhemos para Sergipe...e ai so uma vez por ano.
Inclusive ela disse que vem antes de junho nos visitar, se ela não aparecer ate o final do ano eu vou la,pois ela ainda não conhece meu Pablo.
bj

Lúcia Soares disse...

olá cida, a melhor alegria é receber jesus, achei lindo este comentario, pois a grande sabedoria vem do grande Deus. bjs amiga

Suely - HD disse...

Olá minha amiga!!!

Que lindo, sei que já disse isso, mas sua família é mto especial.

Isso me fez lembrar da minha vovó (já falecida), mto dedicada, ela sabia que eu amava seus doces, e qdo sabia q iriamos p/ sua casa (viagem) ela sempre deixava pronto aquele doce de leite (pedaçinhos), amava... q saudades....

Amei o texto,

beijos
suely

Suely - HD disse...

Ah! Esqueci de comentar.
Temos algo em comum qto as nossas avós materna.

A sua se chamava MARGARIDA

A minha se chamava ROSA

Lindas flores do nosso jardim.

beijos

Celina Pereira disse...

Oi, Cida.
Li agora este post. Não lembrava, mas já tinha lido antes.
Gosto de avós (sou uma), também amava minha avó materna, que morava conosco. Gosto também de margaridas, havia muitas margaridas plantadas no quintal de minha casa quando eu era criança.
Abraço, são boas recordações que este post traz.
Celina